Parece chiclete, mas é marketing viral! Inspire-se com 4 casos

Se não todos os dias, pelos menos uma vez por semana somos surpreendidos por conteúdos que roubam a nossa atenção. Na era digital, são posts que fazem sucesso não só pela mensagem, mas também são campeões de likes, compartilhamentos, e mais do que isso: ficam na nossa cabeça, viram piada, meme e chegam em todas as rodas de conversa. E os elementos são variados: eles nos pegam por uma frase de efeito, uma música ou imagens incríveis – ou juntam tudo isso no que a gente chama de marketing viral.

Tudo isso acontece por uma simples coincidência? É claro que não! Existe, sim, um planejamento para que esses conteúdos ganhem destaque nas nossas timelines.

Por, inevitavelmente, fazer parte do nosso dia a dia nas redes sociais, vamos falar sobre o conceito do marketing viral e relembrar casos que até hoje estão no nosso imaginário!

O que é marketing viral?

Um dos exemplos mais famosos – e, talvez, o mais antigo no mundo digital – é o do Hotmail. A plataforma de e-mail passou a se dar bem ao exibir, no rodapé das mensagens, a frase – na verdade, um call to action – “Obtenha seu e-mail particular e gratuito em http://www.hotmail.com“. A chamada para ação era repassada por todos usuários e, assim, surgiam novos aderentes ao sistema.

Já deu para perceber a dinâmica do marketing viral? Mais que fazer um convite, a estratégia consiste em oferecer algo que tenha valor e que atenda às expectativas do público-alvo, que precisa perceber essa relevância nas ofertas.

Depois disso, vem o fenômeno da multiplicação da mensagem para milhares e até milhões de pessoas.

Quais são os elementos do marketing viral?

Lembra que falamos acima sobre planejamento? Então, o marketing viral trabalha com elementos para que a ação seja eficiente.

Os elementos básicos são:

• Emocional;
• Humor;
• Solidariedade;
• Envolvimento;
• Identificação;
• Escalada fácil de alcance;
• Motivacional;
• Comportamental.

É preciso unir todos elementos em uma ação de marketing viral? Não. Porém, quanto mais características, mais poderoso será o seu conteúdo! Vale ressaltar aqui que nem todos os seus conteúdos vão viralizar – até porque isso também vai depender de um fator externo e desconhecido, o público, que é quem decide o que vale a pena ser compartilhado. Mas a busca por esse formato pode ser meta para alcançar a tão desejada relevância no mercado.

4 casos inesquecíveis de marketing viral

Separamos campanhas que tiveram grande repercussão e que, com certeza, passou pelo seu feed e você lembra delas até hoje.

1. O ovo ou Kylie Jenner?

O caso mais recente de viral aconteceu nas primeiras semanas de janeiro. O post não tinha uma marca envolvida, mas levanta questões que estão ligadas ao marketing. Tudo começou com uma publicação do perfil @world_record_egg, em 4 de janeiro, que, com a imagem de um ovo, lançou o desafio de desbancar a foto mais curtida do Instagram (18 milhões de likes), uma postagem de Kylie Jenner, com foto da filha recém-nascida, de 6 de fevereiro de 2018. A provocação viralizou, e o post foi o assunto mais comentado na internet – até o fechamento desse artigo, contava com 52 milhões de curtidas.

A ação chama atenção por ter driblado o algoritmo do Instagram, que está diminuindo cada vez mais o alcance orgânico. Além disso, do meme do ovo podemos tirar elementos que valem como inspiração, como a característica de absurdo – que passou por cima do amontoado de selfies da rede social com um post que beira ao ridículo e ao cômico (todos nós curtimos por pura diversão). Sem falar no chamado para uma ação, que configurou um movimento coletivo e mostrou uma excelente técnica de gamificação – quem ficou de fora desse marco da internet?

View this post on Instagram

stormi webster 👼🏽

A post shared by Kylie ✨ (@kyliejenner) on

2. Heineken e a quebra de padrões

Uma campanha que deu o que falar foi a “The Cliché (Champions League)”, feita pela Heineken. Na ação, a marca de cerveja levou o público a uma sensação de sentimentos: surpresa, risos, raiva, comemoração. Em uma mensagem direta ao principal público-alvo, o masculino, a Heineken quebrou padrões ao debochar dos homens que mentem para sair sem as parceiras e ainda desmistificou a história de que mulher não gosta de futebol.

3. Os pôneis malditos da Nissan

“Você quer uma picape que tenha cavalos ou pôneis?” Foi com essa pergunta que a Nissan abriu o comercial do Nissan Frontier 172 Cavalos. O comercial, veiculado em agosto de 2011, fez todo mundo cantarolar a trilha que mostrava os fofinhos, porém “malditos”, pôneis em uma animação. Após a propaganda, a marca teve um recorde de vendas do carro desde que o modelo foi lançado fora do país, em 2002, com 5.375 unidades vendidas, o equivalente a 81% a mais que o mesmo período em 2010.

4. O braço do MMA contra a violência doméstica

Mas o marketing viral não só faz rir. Ele faz pensar também. Como foi o caso da campanha do MMA, feita em uma parceria entre o Disque Denúncia, Agência3, Shooto Brasil e Canal Combate. Para divulgar a primeira luta mista de MMA do mundo, um duelo entre Emerson Falcão e Juliana Velasquez. O evento surpreendeu o mundo – canais internacionais deram a notícia. Mas, na verdade, a suposta luta era só para chamar atenção para a causa da violência doméstica. Após a revelação, veio o efeito viral, e milhões de pessoas foram mobilizadas.

A estratégia trabalhou com alguns elementos do marketing viral, como: emoção, solidariedade a um grupo de pessoa (no caso, mulheres que sofrem esse tipo de violência), envolvimento (pois levou o público a falar sobre o assunto), além da identificação – quantas mulheres não se sentiram representadas no vídeo?

Uma dica para começar a planejar os seus conteúdos com intenção de viralização: saia do senso comum de querer apresentar somente os atributos do seu produto. Pense na apresentação de valores – e não estamos falando de preços, ok?

Você lembra de outras ações de marketing viral que marcaram o público? Compartilhe com a gente!